Baby it´s Cold Outside é uma canção do período clássico americano escrita por Frank Loesser em 1944 e popularizada pela sua utilização no longa-metragem Neptune´s Daughter (Rainha das Sereias) em 1949. Esse foi o início do vasto movimento de reprodução do dueto nos Estados Unidos – que conta hoje com mais de 50 covers de diversos artistas. O sucesso da música é atemporal – ela tornou-se um dos clássicos do recesso de inverno estadunidense – porém, reproduzir uma obra de arte dos anos 40 setenta e sete anos depois é tirá-la do seu tempo e, como alerta o teórico Walter Benjamin, isso pode gerar complicações.

Baby it´s Cold Outside sofre com separação da obra do seu contexto histórico. Ao longo dos quase oitenta anos passados, as normas sociais mudaram; o que era inapropriado naquela época é diferente do que é inapropriado hoje em dia: se antes era uma mulher passar a noite na casa de um homem com o qual ela não é casada, atualmente, o inaceitável é o homem não compreender que “não é não” e insistir para que a moça fique quando ela já disse que “tem de ir embora”. Mais polémico do que o tema geral da música, é a frase “what’s in this drink?“, uma expressão popular da década de 40 que é interpretada no século XXI como uma alusão ao estupro. Por conta disso, a canção foi banida de diversas estações de rádio nos Estados Unidos.

Essa é uma das formas que uma obra de arte «perde a sua aura»; uma troca de flertes nos anos 40 vira uma pista de assédio em 2018, mesmo que o fim da melodia em uníssono «indique que o casal estava na mesma página», como alertou um usuário no YouTube. A problematização é uma conquista essencial do século XXI – uma prática super importante e válida -, mas em relação às obras de arte é necessário reconhecer o seu contexto histórico e analisá-la a partir daí. Até mesmo porque, na época em que foi criada, Baby it´s Cold Outside possivelmente alinhava com os atuais interesses feministas: a permissão que uma mulher se dá de viver a sua sexualidade independente de um casamento, mas parece que a interpretação mais justa dessa canção ficou perdida no passar do tempo.

Elara Liz Miller, 2018.

Fontes: 

– Pequenas ideias em «Benjamin, Walter (2006). ‘A Obra de Arte na Época da sua Possibilidade de Reprodução Técnica’, in A Modernidade, Org. e tradução de João Barrento, Lisboa, Assírio & Alvim, pp. 207-241.»;

– https://en.wikipedia.org/wiki/Baby,_It%27s_Cold_Outside;

– Comentários em https://www.youtube.com/watch?v=7MFJ7ie_yGU.