A animação em stop motion é uma das técnicas mais conhecidas e utilizadas no cinema desde os seus primórdios. Acredita-se que o primeiro filme a fazer uso desta técnica foi “The Humpty Dumpty Circus”, em 1898, realizado por J. Stuart Blackton e produzido por Albert E. Smith, tendo estes utilizado um conjunto de brinquedos da filha de Smith. Infelizmente, o filme não foi capaz de sobreviver ao tempo, e nem se sabe ao certo se as imagens que se pensam ter pertencido ao filme realmente fizeram parte do mesmo ou se eram simplesmente imagens da companhia que fabricou o próprio conjunto de brinquedos, Schoenhut Piano Company.maxresdefault

Acredita-se que esta técnica tenha sido popularizada por Arthur Melbourne-Cooper a partir do princípio do século XX, tendo sido adaptada também a filmes “live action”, de maneira a dar vida a criaturas fantásticas e acontecimentos impossíveis. Pode-se considerar que a técnica stop motion foi o que deu início ao que conhecemos hoje como efeitos especiais ou CGI (Computer Generated Imagery).

No entanto, esta técnica evoluiu em filmes cuja animação é totalmente stop motion, sendo adotada por realizadores como Tim Burton, Wes Anderson, e a companhia Laika Entertainment, LLC. Tim Burton é, sem dúvida, o realizador mais aclamado no em stop motion. Após o sucesso da sua curta metragem de terror “Vincent”, em 1982, produzida em colaboração com Disney, a carreira de Tim Burton no mundo de stop motion começou a elevar-se cada vez mais, não se limitando apenas a filmes de animação, mas também “live action”, como é o caso do famoso “Beetlejuice” em 1988.

Porém, a obra que “imortalizou” a arte de Burton foi “The Nightmare Before Christmas”, em 1990, baseado num poema do mesmo nome escrito pelo próprio Tim Burton. Este, como refere Jean Mendonza no seu artigo do site lomograhy.com, foi trabalhado por uma equipa de perto de 100 pessoas durante 3 anos, utilizando 227 figuras e mais de 400 cabeças para a personagem principal, Jack Skellington. Os desenhadores foram também encorajados a fazer os esboços com a sua mão não dominante, de forma a criar o “twisted look” desejado pelo realizador.600x403x2

Mas como pode isto relacionar-se com arte e multimédia? Na verdade, “The Nightmare Before Christmas” é utilizado aqui apenas como um exemplo da técnica stop motion. Esta técnica pode ser vista como algo semelhante à animação nas suas origens, quando era constituída apenas por vários desenhos a passarem em frente a uma câmara multiplano a uma determinada velocidade para criar a ilusão do movimento. Stop motion é quase como uma versão 3D da animação clássica, onde os desenhos ganham forma e “vida” nos “fantoches”, mas que, essencialmente, passam pelo mesmo processo de filmagem: são apenas várias imagens (neste caso, fotográficas) que, quando unificadas digitalmente, criam a ilusão de movimento das figuras nelas representadas.

Mendoza, J. (2011, November 24). Lomography – Stop-Motion Animation: The Nightmare Before Christmas. Retrieved from https://www.lomography.com/magazine/124654-stop-motion-animation-the-nightmare-before-christmas

  • Lara Jean B. Torrão, 2018