“Look at Porto” é um projeto que conta com uma exposição em formato digital da cidade do Porto. Essa exposição é apresentada em cinema de cinco dimensões que tem como principal objetivo criar curiosidade aos turistas para conhecerem a cidade, mas também possibilita a visualização aos habitantes da sua cidade em perspetivas nunca antes vistas. Durante dez minutos, o espectador poderá ter diversas sensações não só visuais, mas também de movimento, através das cadeiras dinâmicas e sensitivas ao serem confrontados com água, vento e aromas. Esta experiência é ainda mais credível quando se conjuga uma banda sonoro característica da cidade.

Neste caso, o filme é exibido no Porto, mas tendo em conta que se trata de uma obra de arte digital, poderá ser levada para salas de cinema de outras cidades como meio de promoção turística graças à reprodutibilidade técnica que a arte digital trouxe. Isto possibilita que um estrangeiro que não conheça a cidade viaje nela sem sair do seu próprio país estimulando a curiosidade de um dia a visitar. O filme permite uma visão geral e imediata de toda a cidade do Porto, permitindo captar à partida os pontos turísticos de interesse, algo que não seria possível de forma tão imediata visitando a cidade ao vivo. Desta forma, a obra pode-se considerar autêntica uma vez que tem a sua própria duração e transmite o conhecimento geral do Porto em minutos. Segundo Walter Benjamin, o objeto reproduzido sai do domínio da tradição uma vez que permite a reprodução em qualquer parte e a captação contínua do objeto permite também a sua atualização. Tendo em conta todos estes aspetos, a obra de arte reproduzida ganha assim um novo contexto, ou seja, a captação de imagem e a sua utilização em tela ganha uma determinada função. Já a sua possibilidade de reprodução destina-se a uma promoção turística e contribui para uma cultura de massas.

Patrícia Morais