Etiquetas

, , ,

Habbid giraffas habbo

Giraffas no Habbo Hotel

Lembro-me da primeira vez que tive contacto com o Habbo Hotel; numa ida usual ao centro comercial, peço um prato no meu restaurante preferido, o Giraffas; no papel que se localiza entre o prato e a bandeja, um anúncio: «VISITE O GIRAFFAS NO HABBO HOTEL!». Foi a primeira coisa que fiz assim que cheguei em casa, criei uma conta no Habbo apenas para poder visitar o meu restaurante favorito localizado na Internet. Foi uma ida que me faria voltar lá -no site, não necessariamente na representação do restaurante – frequentemente durante sete anos na minha vida; a plataforma era muito maior do que eu esperava.
O Habbo Hotel funciona através da criação de quartos e da forma com a qual os interactores os habitam. O site foi projectado com quartos standard: um jardim, a recepção do hotel, o Giraffas, uma biblioteca… E, além desses, a graça do jogo é você criar os seus quartos e habitar o quarto dos outros. Esses quartos são criados com “mobis“: móveis que podem ser comprados, trocados, doados e vendidos; de diversas colecções e raridades; eles são interactivos: senta-se nas cadeiras, deita-se nas camas, há móveis que fornecem bebida e comida e até mesmo rollers que modificam o comportamento de um objecto comum. Com essas possibilidades, o site foi colonizado; os usuários construíram um novo mundo: existem orfanatos, escolas, hospitais, baladas, praias, quartos de jogos inventados por esses, centros policiais e muito, muito mais. Nesse universo, os avatares interagem entre si com balões de fala, danças e pequenos gestos.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pela visão de Janet Murray no seu livro, Inventing the Medium: Principles of Interaction Design as Cultural Practice, esse universo – o Habbo – só existe pelas capacidades específicas do computador: a de processamento, a de permitir a participação, a de armazenar e organizar informações e a de ser um espaço – ou vários espaços – fora da nossa experiência palpável. E, de facto, o site tem uma ecologia própria, uma dinâmica criada por um «meio participatório transparente». O Habbo é um espaço voltado para a produção de outros espaços que utiliza no seu melhor as capacidades do meio digital, proporcionando experiências criativas e sociais aos seus usuários; se tornando assim, um novo meio para a expressão das nossas práticas culturais.

Créditos das imagens: Baixaqui, Habbid, Tech Tudo e Yle.

 

Elara Liz Miller, 2018.