Etiquetas

,

“O que é isso?” pergunta-me o meu irmão enquanto espia o que faço no computador. Eu respondo: “Uma obra de arte.”; a réplica: “Uma foto do Trump é uma obra de arte agora?”. Silêncio. A questão fica no ar. De facto, o que estava na tela do meu computador não era uma foto do Presidente Donald Trump, e sim, a obra de arte digital de Jim Andrews, The Moral Deformity of Team Trump. A interatividade com a obra havia me permitido torna-la uma espécie de slideshow das imagens de Donald Trump e sua equipa – imagens essas sem qualquer tipo de distorção visual no momento o qual meu irmão entrou no quarto. Sim, aquilo continuava a ser uma obra de arte – a obra de arte de Jim Andrews – mas o seu comportamento anomalo em relação às artes não-digitais nos faz hesitar; seria aquela série de fotos não-autorais de Jim Andrews criação artística dele?

A interatividade também revela na composição outra irregularidade em relação à arte tradicional; permite que, se explorada através de dois computadores em simultâneo, cada usuário a experiencie de maneira esteticamente diversa, como nos seguintes exemplos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Poderia uma única obra ter múltiplas identidades visuais paralelas, ou no momento em que o usuário muda a cor do plano de fundo – que seja – ela se torna uma ramificação da obra de arte original?

Interessantemente, o modo mais justo de responder à essas perguntas não está na plástica da criação artística. A coexistência estética justifica-se na potência processual de múltiplos signos executada pelo computador e ampliada pela internet – o complexo simbólico do meio digital reflete-se em tudo que foi inventado para ele. Para além disso, The Moral Deformity of Team Trump tem como pilar principal o conceito; enquanto os donos dos rostos que ali estão expostos forem enquadrados pelo artista como pessoas de moralidade duvidosa dentro do seu contexto histórico, os consumidores serão convidados a olhar para aquelas imagens como se fossem aberrações – estejam elas íntegras ou não.

 

Elara Liz Miller, 2018.

Confira:

The Moral Deformity of Team Trump