Bolter e Grusin em “Understanding New Media” refletem o modo como três meios se relacionam entre si. Estes três meios são a remediação, a imediacia (ou imediação) e a hipermediacia (ou hipermediação).
Muitas vezes sentimos que a nossa atenção está completamente focada no que estamos a fazer virtualmente, fazendo que os nossos sentimentos sejam transpostos para a vida real. Essas sensações são compostas pelos conceitos de Imediação e o de Hipermediação.
Imediação é algo que nos faz transportar para uma realidade completamente diferente, sem que exista qualquer barreira entre essa realidade criada e a nossa realidade. Cada vez mais parece-nos que o mundo virtual está presente nas nossas vidas. A imediação, acaba por se ocultar da realidade, fazendo com que a pessoa sinta que está “no meio” em questão, experienciando algo único. Neste contexto, o objeto acaba por excluir o meio pela qual a mensagem está a ser transmitida, tornado-se invisível ao público, funcionando como uma janela (transparente e aberta) pelo facto de conseguirmos ver o que está do outro lado, sem ter-mos noção da “separação”.
O caso da Hipermediacia pretende mostrar ao público que está a existir um meio que consiga interligar a pessoa ao “mundo irreal”. O meio acaba por estar sempre revelado, tendo como objetivo mostrar ao público que está a existir uma mediação, e que a informação que está a ser transmitida está a ser mediada de alguma forma.
Neste video, “Unbelievable Bus Shelter”, é possível verificar que a imediação está oculta, porque quem está na paragem de autocarro pensa que o que está a rodeá-lo é apenas a parte lateral da paragem, e nunca irá pensar que o ecrã é um “meio” à qual acaba por deixá-los experienciar vários acontecimentos extraterrestres. Contudo, quando todas as figuras extraterrestres começam a aparecer, o público começa a ter conhecimento de que está ali um ecrã, que apesar de dar continuidade à vida real, nunca pode ser real, tornando-se assim evidente o meio.

Catarina Gouveia