Cada manifestação de imediação de um “meio” é em determinada época, manifestada de determinada forma. Na pintura renascentista, o método de perspetiva linear, dava a ilusão do contacto direto com um objeto representado em tela, devido às dimensões que tomava(ou transparecia tomar). Na nova era digital, a lógica da base de dados é um meio imediático traduzido em processos de transparência, naturalização e ocultação do meio. “the goal of virtual reality is to foster in the viewer sense of presence: the viewer should forget that she is in fact wearing a computer interface and accept the graphic image that it offers as her own visual world.”. Presente na visualização de “L’Arrivée diun Train a La Cioat”, na qual os espectadores se confrontaram com duas realidades: por um lado a sensação de imersão, numa dimensão apresentada em tela; por outro, a realidade em que se apresentam sentados perante e observando a mesma tela . Ou seja, o realismo imprimado na tela levou os espectadores a crer que o comboio vinha realmente em suas direções.

O objetivo da realidade virtual não foi, ainda totalmente conseguido uma vez que, existem rupturas em todas as realidades virtuais (slow frames, falhas no sistema, gráficos imperfeitos, intensificação e suavização de cores). As técnicas utilizadas em meios como a televisão, fotografia, pintura etc… para tornarem o meio invisível à “sensibilidade” do visualizador podem ser reutilizadas no meio digital por intermédio de valores estéticos de transparência. Bolter e Grusin propõem 3 técnicas de transparência do meio, o perspectivismo cartesiano, o objeto controla o espaço dum único ponto de vista; o artista deve ainda trabalhar as pinceladas mal acabadas da surface (ocultando-as) e por último automatizar a técnica de perspetiva linear, encontrada num outro meio- a fotografia.”computer programes may ultimately be human products, in the sense that they embody algorithms devised by human programmers, but once the program is written and loaded, the machine can operate without humans.”

In “Immediacy, Hypermediacy, Remediation” 1999, Jay David Bolter e Richard Grusin

Verónica Alves, Estudos Artísticos