Museum Photographs é um projecto do fotógrafo alemão Thomas Struth (1954) que se caracteriza por espelhar um curioso diálogo entre a Pintura e a Fotografia.

Struth mergulha nos museus de cidades como Londres, Paris, Viena, Amesterdão e Chicago. Em cada foto vemos massas turísticas anónimas que contemplam quadros icónicos da Arte Ocidental. Estas obras pictóricas não foram concebidas como ícones de fetichização museológica mas sim como criações ao serviço do culto religioso. Efectivamente, longe estava a Capela Sistina de vir a ser um espaço global de peregrinação cultural e artística.

Louvre I (Paris, 1989)

Louvre I (Paris, 1989)

Através de Museum Photographs, as pinturas re-adquirem aspectos da sua vitalidade aurática quando visualizadas através de um novo contexto óptico. Struth concentra-se na forma como as pinturas são experienciadas num mundo de secularização artística como efeito secundário da reprodução técnica da obra de arte. Mesmo que esta tenha dado origem a uma distracção que se reflecte na leitura concentrada do guia turístico e não na contemplação directa do quadro ( Louvre IV – Paris, 1989).

Art Institute of Chicago II (Chicago, 1990)

Art Institute of Chicago II (Chicago, 1990)

Ir a um museu é um complexo ritual socio-cultural com dupla intencionalidade: ver e ser visto. Struth apresenta as atomsferas museuológicas como um organismo vivo e dinâmico, cemitério artístico do passado registado num olhar atento à sua arquitectura, pessoas e objectos. O espectador é transportado para a órbita da massa turística fotografada como um deja vu instantâneo, serpenteando nos corredores da monumentalidade espacial intensificada pela escala humana.  O aqui e agora da autenticidade é duplamente mediado na forma como se capta o momento em que se absorve cognitivamente uma obra artística. Através do clique fotográfico, Struth casa um momento contemporâneo com um momento histórico.

20130105_132959-1024x768

Esta fotografia espelha a essência meta-reflexiva do projecto na medida em se trata de uma fotografia onde uma visitante contempla a fotografia de Thomas Struth. Ambas as mulheres observam o mesmo quadro: Paris Street; Rainy Day (1877) de Gustave Caillebotte.

Museum Photographs não é um trabalho de documentação artística per se. As fotografias de Struth são uma forma artística dos média que por sua vez documentam o legado pictórico da arte tradicional. Este projecto contribui fulcralmente para a educação estética do olhar do indíviduo na esfera artística contemporânea.

http://www.thomasstruth32.com/smallsize/index.html