Em 1966, Dick Higgins, poeta e compositor, criou o conceito de intermedia. Este termo refere-se, segundo Higgins, a uma inter-relação entre meios que se fundem entre si e criam um novo meio. Não podem ser considerados meios mistos pois as formas de representação dessa obra de arte intermedia não se podem separar. Caso isso acontecesse, a obra de arte em causa perderia a sua essência.

O conceito de intermedia ocorreu ao seu criador após o happening, entre o final dos anos 50 e início dos anos 60. O happening advém da colagem, um tipo de arte em que os artistas colavam e retiravam, adicionavam ou tiravam elementos dos seus trabalhos, sendo um desses elementos pessoas. Um exemplo dessas obras de arte é o trabalho de Richard Hamilton (1922-2011).

richardhamilton

O que Exatamente Torna os Lares de Hoje Tão Diferentes, Tão Atraentes? (Richard Hamilton, 1956)

Apesar do conceito de happening só ter sido criado em 1958, quando na colagem começaram a ser utilizadas figuras de seres humanos, Richard Hamilton já era um percussor do termo. A sua obra acima apresentada data de 1956, dois anos antes do happening. Para Dick Higgins, a obra de Richard Hamilton encaixaria no termo intermedia por conjugar diferentes meios numa só obra. As colagens happening utilizavam pessoas, objetos e elementos que permitiam a envolvência do espetador. Para Higgins, este tipo de arte era uma relação entre vários meios pela sua composição de várias formas de representação.

Deste modo, segundo Dick Higgins, existem obras de arte que claramente já não se conseguem definir como produzidas num só meio. Muitas utilizam variadas formas de representação e outras são demasiado complexas para se poderem classificar visto serem intermedia. Já não existem limites para aquilo que uma peça de arte pode ou não ser, tendo em conta a multiplicidade de meios que podem ser utilizados numa só obra.

Inês Duarte