A arte foi-se transformando à medida que a era e a tecnologia foram sofrendo alterações. Com o nascimento da mais variada tecnologia a era digital tornou-se cada vez mais importante na vida dos indivíduos. Desta forma, os cidadãos foram habituados a receber constantemente as mais variadas melhorias àquilo que já existe, pelo que foram habituados a manter uma expectativa alta e a esperarem sempre o melhor e o mais inovador. A nível tecnológico isto pode observar-se com a constante criação de novos telemóveis – agora mais resistentes e até à prova de água –, computadores, consolas de jogos, GPS, televisões, enfim, a mais vaiada panóplia de tecnologia.

Sony Xperia Z, à prova de água.

Sony Xperia Z, à prova de água.

No mundo da arte esta constante inovação também é sentida, pelo que os artistas sentem a pressão de continuarem a produzir mais, mas também com a qualidade de os indivíduos  esperam. É muito comum existir uma junção das mais variadas formas de arte com o intuito de criar algo bastante inovador e que não é esperado. Ainda no século XX começou a juntar-se o vídeo à música; no século XXI, na arte da dança foi-se anexando as mais variadas práticas, existindo agora coreografias que combinam Ballet com Hip Hop, contemporânea com ginástica… A arte da televisão estas inovações também se fazem sentir. O cinema é uma grande concorrente, que consegue competir com a criação de filmes de grande produção, com orçamentos milionários que atraem os espectadores.

A televisão, tendo um carácter mais diário, tem a característica de conseguir atrair o espectador, menos de uma hora de cada vez, explorando uma história e uma narrativa de uma forma mais pormenorizada. Isto leva a que o espectador consiga identificar-se mais com aquilo que vê, durante mais tempo. Contudo, a televisão necessita de se inovar e de criar cenários alternativos, de forma a que o espectador não perca o interesse. Para isso, são feitas recriações de outras séries, participações de celebridades, concertos de bandas famosas, mas também junção de outras artes como os vídeo jogos.

Na série House MD, na sexta temporada, esta junção é apresentada. O episódio começa com um vídeo jogo, a ser jogado por alguém que não se sabe quem, fazendo o espectador duvidar se está a ver a série certa. Esta novidade trás um novo olhar sobre a sério, que assim aborda um novo tema e introduz de braços abertos esta mais recente arte. Este é um dos exemplos de como o mundo da arte está em constante movimento, combinando artes, para fazer melhorias que acompanham o mundo digital.