O som e a imagem desenvolveram-se separadamente através da fonografia e da fotografia. Com a combinação destas duas tecnologias surgiu o cinema sonoro, onde podemos constatar que com o som acompanhar a imagem é possível obter uma maior imersão por parte do espectador.

O cinema é de certo modo um dos meios mais indicados para podermos ver a relação destas duas tecnologias, pois com o desenvolvimento deste ocorreu também um melhoramento ao nível das questões do som e da imagem, sendo isso uma mais valia para espectador. Normalmente há uma fusão entre o som e a imagem que pode ser visualizada nos filmes abstratos que consistem num subgênero do cinema experimental. Estes filmes não têm uma narrativa sonora ou visual com a história nem com a acção. Eram exclusivamente constituídos por imagens abstratas que através das formas e movimentos que os artistas lhe atribuíam não obtinham qualquer significado figurativo, apenas representavam elas próprias. Desta forma as principais características que identificam este gênero de fílmico é mesmo o movimento, o ritmo, a luz e a composição própria do meio técnico do cinema, onde através destas podem vir a proporcionar experiências emocionais ao espectador.

Hans Richter foi um dos pioneiros dos filmes abstratos, em 1920 na Alemanha.  O seu trabalho desenvolvia-se em torno de diferentes abordagens do movimento abstrato. Ghosts Before Breakfast, também conhecido por Vormittagspuk é uma curta-metragem realizada por Hans, que pretende fazer com que o espectador pense e aumente o seu conhecimento acerca da realidade ao mostrar-lhe a fantasia surrealista. Nesta obra Hans não utiliza uma narrativa coerente, mas sim um conjunto de imagens ambíguas. Esta curta-metragem inclui movimentos rápidos ou abrandamentos que produzem um efeito cómico e para além disso esta contém ritmo que para ele tem um papel fundamental. Tratando-se assim de uma obra que utiliza negativos para comparar o mundo real com o mundo negativo e ainda com uma iluminação que pretende produzir vários efeitos de luz e sombra. Com isto a utilização de todos estes elementos conseguiu com que o espectador entrasse num mundo de fantasia que nunca iria acontecer na vida real.

Sílvia Santos