Depois da minha mais recente experiência da exposição de pintura “A Paisagem Nórdica do Museu do Prado” (no Museu de Arte Antiga em Lisboa), onde se destacavam as obras de grandes mestres da paisagem do séc. XVII: Rubens, Brughel e Lorrain; não pude deixar de associar o que observei, ao sub-tema “o desejo fotográfico nas pinturas e as técnicas de ilusão óptica” abordado numa das últimas aulas de Arte e Multimédia.

A fotografia tem um clara descendência da pintura. São vários os componentes que esta duas artes partilham e tem em comum, apesar de a pintura ser de inscrição simbólica e a fotografia de inscrição física do real. Estas tem em atenção: a luz, o contraste, o brilho, a cor, recriam/ captam o real, a profundidade de campo, a perspectiva, e ambas eternizam o momento observado.

Estas características são notórias na exposição. Estes quadros ao longe até podiam ser confundidos com uma fotografia, devido à simulação da percepção ocular. Pois retratam o real de maneira muito fidedigna, através do pormenor do objecto observado, da aproximação da cor ao real, do cuidado da absorção do efeito do jogo de luz e sombra na tela, do contraste entre as cores claras e escuras, o brilho e textura da tinta, a real noção de perspectiva e profundidade de campo que os objectos exercem no quadro.

A exposição contém 57 pinturas do Museu Madrileno, de pintura Flamenga e Escolas do Norte (1700). Está dividida em 9 temas, evidenciando-se a paisagem com montanhas. O quotidiano campestre também era abordado nestas obras. As cenas de bosque, apelando para o lado bíblico, encantado e mitológico fazem parte do repertório, assim como os jardins do palácio real flamengo.

Jan Brueghel, o Velho. Boda campestre, óleo sobre tela, c.1621-1623.

Jan Brueghel, o Velho. Boda campestre, óleo sobre tela, c.1621-1623.

Peter-Paul-Rubens-e-Jan-Brueghel-o-Velho.-Visão-de-Santo-Huberto.-Óleo-sobre-madeira-c.1617-1620.-Detalhe

Peter Paul Rubens e Jan Brueghel, o Velho. Visão de Santo Huberto. Óleo sobre madeira, c.1617-1620.

Atribuído-a-Jan-Brueghel-o-Velho.-Os-arquiduques-Isabel-Clara-Eugênia-e-Alberto-no-palácio-de-Tervuren-em-Bruxelas.-Óleo-sobre-tela-c.1621

Atribuído a Jan Brueghel, o Velho. Os arquiduques Isabel Clara Eugênia e Alberto no palácio de Tervuren, em Bruxelas. Óleo sobre tela, c.1621