Ficha Técnica:

Conceito e animações por The Macula (Amar Mulabegović, Dan Gregor) ( http://themacula.com/ )

Com a participação de:
Michal Kotek
Lukáš Duběda

Som:
data-live: http://www.data-live.cz

Projecção de Video Mapping feito para a comemoração dos 600 anos do “Orloj” que é um relógio astronómico medieval, localizado em Praga.

O desejo multimédia manifestou-se em todos os parâmetros da arte. Não foi só na literatura, musica ou pintura que se revelaram obras multimédia resultantes da fusão de dois ou mais meios.
O Video Mapping é relativamente novo. Até cerca de 3 anos atrás, este termo era até então referido como Spatial Augmented Reality. A primeira vez que o conceito de Video Mapping ou Projection Mapping terá sido alvo de investigação foi academicamente na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. No final da década de 1990, onde os estudantes trabalharam num projecto de nome: “The Office of the Future”. O projecto consistia em conectar escritórios de diferentes locais com o intuito de imitar e/ou criar a sensação de estarem todos a partilhar o mesmo espaço de trabalho. Esse objectivo era concretizado utilizando a projecção de pessoas para o espaço do escritório.É, sem dúvida um caso curioso que ilustra este desejo de fusão entre arquitectura e video-arte.

Ilustrando melhor a definição de Video Mapping, pode-se traduzir por uma tecnologia de projecção que visa transformar objectos ( irregulares ou não) numa superfície apta para projecção de vídeo. Essas superfícies podem até ser edifícios cuja arquitectura permita essa mesma superfície. Usando um software, um ou mais objectos 2D ou 3 D são espacialmente mapeados num programa virtual que imita o meio ambiente e projecta o seu conteúdo nessa simulação do software. Desta forma o computador programa exactamente a informação que lhe é atribuída.
Com base nessas informações, o software pode interagir com um projector para se adaptar a qualquer imagem desejada sobre a superfície do objecto. O vídeo é vulgarmente uma junção entre imagem e áudio para criar uma narrativa audiovisual.

A video projecção ” The 600 Years” pelo colectivo The Macula é um exemplo ilustrativo de video mapping aplicado a uma superfície arquitectónica histórica. Curioso também, é o facto da projecção englobar uma narrativa ilustrativa da arquitectura do edifício.

+ info :http://vimeo.com/themacula