uma alma simples

A busca por revelar o que os olhos enxergam traçou um longo caminho até chegar no que hoje conhecemos por arte e multimédia.
Pintores como Johannes Vermeer (1662-1675) já demonstrava em suas pinturas essa necessidade de retrata em seus quadros a verossimilhança com os comportamentos e situações da realidade. Assim, fazia uso da ilusão de óptica com a representação na pintura da profundidade, o jogo de sombras e luz e o movimento do que estavam expressando. Então, é possível enxergar essa necessidade de retratar o real em obras como: “A leiteira”(1658-1660), “A Ruela” (1657-1661) e “Retrato de uma jovem” (1667-1668), dentre outras de suas obras.
Caravaggio é outro exemplo dessa busca por uma pintura que dialogue com aspectos da realidade. Trouxe em muitas de suas obras como modelos para as pinturas, sagradas ou não, moradores de Roma. Queria retratar de uma forma concreta a realidade, expressando todos os aspectos humanos, inclusive a feiúra, causando muita polêmica em seus conterrâneos.
Por outro lado, a literatura não se manteve em silencio e mostrou essa inquietação em obras como as do francês Gustave Flaubert, onde, por exemplo, no conto “Um Coração Simples” de 1877, ele descreve detalhadamente aspectos físicos, estruturais e psicológicos da vida dos personagens. É nesse aspecto que durante a leitura que mesmo sem estarmos vendo o cenário em nossa frente vamos desenhando-o em nossa mente com precisão de detalhes, expressões e sons que cercam o ambiente.
Flaubert foi considerado um escritor realista por abordar esses aspectos de uma forma tão perceptível, como se estivesse diante dos nossos olhos, por isso se atualmente um cineasta, artista visual ou diretor de teatro quisessem transferir a obra literária para o cinema, teatro ou mesmo para um quadro já teriam uma base de impulso para recriação da obra, pois Flaubert deixa isso muito bem “desenhado”.
Entender esse processo histórico da busca pela transferência da realidade para a obra de arte é um passo importante para perceber o que entendemos por médias hoje e a sua função e influência ao longo da historia até chegar à invenção da fotografia ou o surgimento do cinema e os meios de reprodutibilidade que hoje nos cercam.