Etiquetas

Todos nós tentamos descobrir quem realmente somos, tentando assim estar sempre próximos das origens. Procuramos cada vez mais estar o mais perto e o mais fiel possível das nossas origens, procuramos ser o mais genuíno possível. Assim a nossa sociedade foi representada ao longo dos seculos através das pinturas sempre de maneira a estarem o mais verosímil da realidade, sempre mais próximas da origem. Para tal efeito, técnicas foram se desenvolvendo pelos pintores para tornar as pinturas fieis, tal como a perspetiva ou o jogo de luzes e sombras. Para alcançar esse objetivo de veracidade nas representações, os pintores foram trocados por inventores que deram a conhecer uma nova espécie de arte: os médias. Aparecendo assim, a fotografia, e depois o cinema, sempre a tentar refletir tal e qual a nossa sociedade em todas as suas facetas. De certo modo, começou-se a apreciar mais a fotografia, essa arte nova e tao versátil, mais do que as pinturas. A fotografia captou a perspetiva, a luz, as sombras, os detalhes todos duma só vez, enquanto a pintura demorou anos a concretizar todos esses processos de aproximação da realidade. A fotografia é um média e uma arte ao mesmo tempo, algo que a pintura nunca chegou a atingir em seculos. Não podendo competir com essa arte/media tao grandiosa que é a fotografia, a pintura pós de lado o realismo tentando descobrir novas sensações através de cores, texturas etc…afim de talvez surpreender todos os sentidos e “vencer” a fotografia, inventando por exemplo o surrealismo ou o impressionismo (mais fieis ao imaginário do que a realidade). Resumindo, a inscrição da luz foi a chave para a evolução da arte mas também dos médias, mostrando que tecnologia também é arte. Os medias foram criados então para transmitirem a imagem do mundo tal e qual o vemos com os nossos olhos, para mostrar um olhar mais fiel possível do que nos rodeia, embora agora facilmente deturpem a realidade (imagens manipuladas) a fim de escapar desta vez da realidade e trazer luz através da originalidade a esse mundo sombrio.

Luiza Fernandes.