O vídeo da publicidade da Sony Bravia mostra uma simulação fluída de explosões de cor.

Esta publicidade colorida provoca diferentes sensações no espectador ao ser vista com ou sem o acompanhamento de música.

Quando vêmos estas erupções de cor sem o acompanhamento de música, ouvimos as explosões. Estas dão um ar mais violento e crú ao que estamos a ver, mas ao mesmo tempo mais real. Seria o som que ouviríamos se estivessemos no local das filmagens.

Com um acompanhamento musical  temos uma maior sensação de fluidez do que estamos a ver, graças à meticulosa sincronização dos elementos visuais e sonoros.

A música consegue dar a este espectáculo de cor uma maior espetacularidade, beleza e dinamismo ao que estamos a ver.

A nossa experiência sensorial altera-se de acordo com certos factores. Haverá um número de pessoas que se interessará mais pelo vídeo em que se ouvem os sons das explosões e certamente haverá ainda mais que irá preferir aquele em que a música está presente.

Contudo, é possível dizer que a nossa experiência é mais enriquecedora quantos mais sentidos forem envolvidos. Se apenas tivermos a imagem, as explosões perdem grande parte do seu impacto. O ser humano sente necessidade de aliar o som à imagem a fim de se obter uma experiência sensorial mais completa.

Na arte temos o exemplo do cinema mudo, que na verdade nunca o chegou a ser na sua totalidade. Foi desde cedo acompanhado por música. Estavam envoltos desde o principio os sentidos auditivos e visuais.

 Sílvia Micaelo