Se no século XV a pintura com perspectiva era considerada algo do futuro, hoje, o moving painting corresponde a um desejo de juntar várias artes e/ou tecnologias sem a percepção óbvia do espectador.

 O Moving Painting surgiu nos anos 80, como uma necessidade de aliar imagens com tecnologia digital.

 Primeiramente. este conceito surge com o desejo de transformar a pintura em fotografia e, consequentemente, numa ilusão óptica para quem vê.

 Desta forma, aproxima-se a pintura da fotografia e o desejo de a pintura ser mais real torna-se possível.

 Esta ideia está associada ao movimento do Realismo, em que os seus intervenientes tentavam tornar as suas telas o mais real possível, como se fosse uma simples captação do real, sem poses trabalhadas nem representações de algo que não existia.

 Socialmente, o movimento Realista pretendia denunciar uma sociedade de classes, utilizando os artistas, momentos do quotidiano identificados pela diferença do ambiente (fábricas,campos,aristocracia…)

 Posteriormente, com a evolução da tecnologia, surge a fotografia, em que o real é captado com o instante do momento, elevando a ideia da pintura em movimento a um impasse.

 No mundo actual, em que as artes primordiais são cada vez mais valorizadas, muitos são aqueles que usam as pinturas realistas para o Moving Painting, ou mesmo aqueles que realizam pinturas em movimento, mostrando desta forma, como Arte e Tecnologia estão, sempre, interligadas.

Realização de um Moving Painting.

Moving Painting aliado com cinema (videoclip).

Marta Pinto Ângelo